Maturidade fisiológica de sementes de Solanum sisymbriifolium - DOI:10.5039/agraria.v13i4a5574

Cárita Rodrigues de Aquino Arantes, Thiago da Silva Santos, Elisangela Clarete Camili, Amanda Ribeiro Correa, Maria de Fátima Barbosa Coelho

Resumo


O objetivo neste trabalho foi avaliar a qualidade física e fisiológica de sementes de juá (Solanum sisymbriifolium Lam.), em cinco estádios de maturação, tratadas com três concentrações de GA3 e submetidas ao teste de frio. Foram determinadas as características biométricas dos frutos, a massa de mil e o teor de água das sementes, assim como os testes de: porcentagem de sementes germinadas e tempo médio de germinação, germinação (formação de plântulas normais), porcentagem e tempo médio de formação de plântulas normais. A biometria dos frutos foi analisada por meio de parâmetros estimados utilizando estatística descritiva. Para as demais variáveis foi utilizado delineamento experimental inteiramente casualizado em esquema fatorial triplo 5 x 2 x 3, sendo cinco estádios de maturação dos frutos: estádio 1 (frutos verdes), estádio (2 frutos verde-claros), estádio 3 (frutos amarelos), estádio 4 (frutos alaranjados) e, estádio 5 (frutos vermelho-carmim); sementes submetidas ou não ao teste de frio e; três concentrações de ácido giberélico (GA3), 0% (água), 0,025% (250 mg L-1) e 0,050% (500 mg L-1), com quatro repetições de 25 sementes cada tratamento. A análise de variância mostrou interação entre o estádio de maturação dos frutos e as doses de GA3, em que, os estádios de maturação 3, 4 e 5, em conjunto com as soluções de GA3, favoreceram a germinação das sementes. A formação de plântulas normais foi maior a partir de sementes obtidas de frutos no estádio de maturação 5.

Palavras-chave


ácido giberélico; juá; qualidade fisiológica; superação de dormência; vigor

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Abud, H. F.; Araujo, E. F.; Araujo, R. F.; Araujo, A.V.; Pinto, C. M. F. Qualidade fisiológica de sementes das pimentas malagueta e biquinho durante a ontogênese. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 48, n. 12, p. 1546-1554, 2013. https://doi.org/10.1590/S0100-204X2013001200003.

Aguiar, F. A.; Pinto, M. M.; Tavares, A. R.; Kanashiro, S. Maturação de frutos de Caesalpinia echinata Lam., pau-brasil. Revista Árvore, v. 31, n. 1, p. 1-6, 2007. https://doi.org/10.1590/S0100-67622007000100001.

Aguiar, I. B.; Perecin, D.; Kageyama, P. Y. Maturação fisiológica de sementes de Eucalyptus grandis Hill Ex Maiden. Instituto de Pesquisa e Estudos Florestais, n. 38, p. 41-49, 1988. http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr38/cap06.pdf. 17 Fev. 2018.

Almeida, E. M.; Dijkstra, D.; Ribeiro, F. M., 1 Sousa, R. M.; Zanata, F. A.; Machado, A. S.; Rios A. D. F. O uso de reguladores de crescimento vegetal em plantas forrageiras. Nutritime Revista Eletrônica, v. 12, n. 5, p. 4302-4308, 2015. http://www.nutritime.com.br/arquivos_internos/artigos/330_-_4302-4308_-_NRE_12-5_set-out_2015.pdf. 12 Jan. 2018.

Baskin, J. M.; Baskin, C. C. A classification system for seed dormancy. Seed Science Research, v. 14, n. 1, p. 1-16, 2004. https://doi.org/10.1079/SSR2003150.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA-ACS, 2009. 395p. http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/2946_regras_analise__sementes.pdf. 07 Jan. 2018.

Braun, H.; Lopes, J. C.; Souza, L. T.; Schmildt, E. R.; Cavatte, R. P. Q.; Cavatte, P. C. Germinação in vitro de sementes de beterraba tratadas com ácido giberélico em diferentes concentrações de sacarose no meio de cultura. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, n. 3, p. 539-545, 2010. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2010v31n3p539.

Carvalho, N. M.; Nakagawa, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590p.

Conceição, I. L.; Dias, A. M. C.; Abrantes, I.; Cunha, M. J. M. D. Efeito dos exsudatos radiculares de Solanum Sisymbriifolium na eclosão de Meloidogyne spp. Revista de Ciências Agrárias, v. 35, n. 2, p. 274-281, 2012. http://www.scielo.mec.pt/pdf/rca/v35n2/v35n2a29.pdf. 22 Fev. 2018.

Donato, L.M.S.; Rabelo, M.M.; David, A.M.S.S.; Rocha, A.F.; Rocha, A.S.; Borges, G.A. Qualidade fisiológica de sementes de melão em função do estádio de maturação dos frutos. Comunicata Scientiae, v. 6, n.1, p. 49-56, 2015. https://comunicatascientiae.com.br/comunicata/article/view/544/302. 12 Fev. 2018.

Figueiredo, J. C; David, A. M. S. S.; Silva, C. D.; Amaro, H.T.R.; Alves, D.D. Maturação de sementes de pimenta em função de épocas de colheita dos frutos. Revista Scientia Agrária, v. 18 n. 3, p. 1-7, 2017. https://doi.org/10.5380/rsa.v18i3.51324.

Gonçalves, V.D.; Muller, D. H. ; Fava, C. L. F. ; Camili, E. C. Maturação fisiológica de sementes de pimenta 'Bode Vermelha'. Revista Caatinga, v. 28, n. 3, p. 137-146, 2015. https://doi.org/10.1590/1983-21252015v28n316rc.

Hill, M. P.; Hulley, P. E. Biology and host range of Gratiana spadicea (Klug, 1829) (Coleoptera: Chrysomelidae: Cassidinae), a potential biological control agent for the weed Solanum sisymbriifolium Lamarck (Solanaceae) in South Africa. Biological Control, v. 5, n. 3, p. 345-352, 1995. https://doi.org/10.1006/bcon.1995.1040.

Justino, E. V.; Boiteux, L. S.; Fonseca, M. E.; Silva Filho, J. G.; Nascimento, W. M. Determinação da maturidade fisiológica de sementes de pimenta dedo de moça Capsicum baccatum var. pendulum. Horticultura Brasileira, v. 33, n. 3, p. 324-331, 2015. https://doi.org/10.1590/S0102-053620150000300008.

Kaiser, D. K.; Malavasi, M. M.; Malavasi, U. C.; Dranski, J. A. L.; Freitas, L. C. N.; Kosmann, C. R.; Andrioli, K. K. Physiological maturity of seeds and colorimetry of the fruits of Allophylus edulis [(A. St.-Hil., A. Juss. & Cambess.) Hieron. ex Niederl.]. Journal of Seed Science, v. 38, n. 2, p. 92-100, 2016. https://doi.org/10.1590/S2317-15372016000200092.

Kissmann, K.G.; Groth, D. Plantas infestantes e nocivas. 2.ed. São Paulo: BASF, 2000. t.3. 722p.

Maguire, J.D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlings emergence and vigor. Crop Science, v.2, n.1, p.176-177, 1962. https://doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x.

Marcos Filho, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2015. 496p.

Mendonça, R. M.; Luz, J. M. Q.; Garcia, C. C. Qualidade de sementes de tomate colhidas em diferentes estádios de maturação, produzidas nos sistemas hidropônico e convencional. FAZU em Revista, n. 5, p.39-45, 2008. http://www.fazu.br/ojs/index.php/fazuemrevista/article/view/42. 17 Fev. 2018.

Mentz, L. A.; Lutzemberger, L. C.; Schenkel, E P. Da flora medicinal do Rio Grande do Sul: notas sobre a obra de D'Avila (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p. 25-47, 1997. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/19288/000221252.pdf?sequence=1. 03 Mar. 2018.

Montório, G. A.; Braccini, A. L.; Scapim, C. A.; Oliveira, V. R.; Braccini, M. C. L. Avaliação de métodos para superação da dormência das sementes de capim braquiária (Brachiaria brizantha cv. Marandu). Revista Unimar, v. 19, n. 3, p. 797-809, 1997. http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevUNIMAR/article/view/4560. 05 Fev. 2018.

Moreira, H. J. D. C.; Bragança, H. B. N. Manual de identificação de plantas infestantes. Campinas: FMC Agricultural, 2011. 1017p.

Nakada, P.G.; Oliveira, J.A.; Melo, L.C.; Gomes, L.A.A.; Pinho, E.V.R.V. Desempenho fisiológico e bioquímico de sementes de pepino nos diferentes estádios de maturação. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 1, p. 113-122, 2011. https://doi.org/10.1590/S0101-31222011000100013.

Pestana, M.; Gouveia, M.; Abrantes, I. Efeitos de Solanum sisymbriifolium e S. nigrum sobre o nemátode-das-lesões-radiculares, Pratylenchus goodeyi, parasita da bananeira. Revista de Ciências Agrárias, v. 32, n. 2, p. 173-181, 2009. http://www.scielo.mec.pt/pdf/rca/v32n2/v32n2a16.pdf. 10 Mar. 2018.

Queiroz, L. A. F. Pinho, E.V. R.V.; Oliveira, J. A. Ferreira, V. F.; Carvalho, B. O.; Bueno, A. C. R. Época de colheita e secagem na qualidade de sementes de pimenta Habanero Yellow. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 3, p. 472-481, 2011. https://doi.org/10.1590/S0101-31222011000300010.

Ricci, N.; Pacheco, A. C.; Conde, A. S.; Custódio, C. C. Qualidade de sementes de pimenta jalapenho em função da maturação e tempo de permanência nos frutos. Pesquisa Agropecuária. Tropical, v. 43, n. 2, p. 123-129, 2013. https://doi.org/10.1590/S1983-40632013000200008.

Silva, A. B.; Landgraf, P. R. C.; Machado, G. W. O. Germinação de sementes de braquiária sob diferentes concentrações de giberelina. Semina: Ciências Agrárias, v. 34, n. 2, p. 657- 662, 2013. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2013v34n2p657.

Silva, F.D.A.S.; Azevedo, C.A.V. The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. African Journal of Agricultural Research, v. 11, n. 39, p. 3733-3740, 2016. https://doi.org/10.5897/AJAR2016.11522.

Smith, L. B.; Downs, R. J. Solanáceas. In: Reitz, P. R. (Ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1966. 321p.

Srivastava, S.; Dvivedi, A.; Shukla, R.P. Solanum sisymbriifolium Lam. (Solanaceae): a new invasive undershrub of the old-fields of northeastern Uttar Pradesh. Check List, v. 11, n. 3, p. 1643, 2015. https://doi.org/10.15560/11.3.1643.

White, C. N., Proebsting, W. M., Hedden, P., & Rivin, C. J. Gibberellins and seed development in maize. I. Evidence that gibberellin/abscisic acid balance governs germination versus maturation pathways. Plant Physiology, v. 122, n. 4, p. 1081-1088, 2000. https://doi.org/10.1104/pp.122.4.1081.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cárita Rodrigues de Aquino Arantes, Thiago da Silva Santos, Elisangela Clarete Camili, Amanda Ribeiro Correa, Maria de Fátima Barbosa Coelho

SCImago Journal & Country Rank

Google Scholar

2018

h5 index: 12

h5 median: 14

Mais detalhes

Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária)

ISSN (ON LINE) 1981-0997

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos Recife-Pernambuco-Brasil 52171-900

agrarias.prppg@ufrpe.br

secretaria@agraria.pro.br

 Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da Agrária, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons.