Uso do 1-MCP e atmosfera modificada na pós-colheita de atemoia ‘Gefner’

Autores

  • Gláucia Michelle Cosme Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Mírian Peixoto Soares da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
  • Marlon Altoé Biazatti Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Paulo Cesar dos Santos Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Natália Martins da Silva Universidade Estadual de Montes Claros
  • Gisele Polete Mizobutsi Universidade Estadual de Montes Claros

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v11i2a5365

Palavras-chave:

amadurecimento, Annona cherimola, Annona squamosa, qualidade química

Resumo

A escassez de tecnologias relacionadas à fisiologia pós-colheita da atemoia constitui um dos entraves para a comercialização a longas distâncias, agravadas pela perecibilidade dos frutos. Objetivou-se com este trabalho prolongar a vida de prateleira dos frutos de atemoia com uso de 1-metilciclopropeno (1-MCP), atmosfera modificada por filme de polietileno de baixa densidade (PEBD), associados à refrigeração. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado em esquema de parcelas subdivididas, tendo nas parcelas as quatro doses de 1-MCP (0, 200, 400 e 600 ?L-1), e nas subparcelas os cinco períodos de avaliação (0, 5, 10, 15 e 20 dias após o armazenamento), com quatro repetições. As atemoias foram colhidas no estádio de maturação fisiológica e tratadas com as doses de 1-MCP por 8 h. Logo após, os frutos foram dispostos em bandejas de poliestireno expandido, sendo armazenados em dois lotes uns sem embalagem e outros embalados com membrana plástica de PEBD 16 ?m. O uso da atmosfera modificada e do 1-MCP, associados ou não, foram eficientes no atraso do amadurecimento dos frutos permitindo a conservação da sua qualidade físico-química. Nos frutos tratados com 1-MCP houve atraso no acúmulo de sólidos solúveis e na degradação do amido.

Downloads

Publicado

2016-06-30

Edição

Seção

Agronomia