Desempenho agronômico da alface em diferentes quantidades e tempos de decomposição de jitirana verde - DOI:10.5039/agraria.v6i2a977

Francisco Bezerra Neto, Silvia Bezerra Góes, José Roberto Sá, Paulo César Ferreira Linhares, Glêidson Bezerra Góes, Joserlan Nonato Moreira

Resumo


É necessário desenvolver novas práticas para os sistemas de produção agrícola com hortaliças, baseadas na conservação do solo, na diversificação de culturas, no aporte de nutrientes de fontes renováveis, que busquem equilibrar a produtividade com a conservação ambiental utilizando-se de resíduos orgânicos localmente disponíveis. Dentro deste contexto, o objetivo do presente trabalho foi avaliar o desempenho agronômico da alface em função de diferentes quantidades e tempos de decomposição de jitirana verde incorporada ao solo. Um experimento foi conduzido na Horta Didática do Departamento de Ciências Vegetais da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró-RN, no período de abril a junho de 2006. O delineamento experimental usado foi o de blocos completos casualizados com os tratamentos arranjados em esquema fatorial 4 x 4 + 4, com 3 repetições. Os tratamentos consistiram da combinação de quatro quantidades de jitirana verde incorporadas ao solo (2,2; 4,4; 6,6 e 8,8 t ha-1 de matéria seca) com quatro tempos de decomposição (0; 10; 20 e 30 dias antes do transplantio da alface), mais quatro tratamentos adicionais (ausência de adubação, 80 t ha-1 de esterco bovino, 80 t ha-1 de esterco bovino + adubação mineral de 160 kg ha-1 de N, 60 kg ha-1 de P205 e 30 kg ha-1 de KCl e apenas adubação mineral de 160 kg ha-1 de N, 60 kg ha-1 de P205 e 30 kg ha-1 de KCl). A cultivar de alface utilizada foi a Babá de Verão. A incorporação de jitirana verde ao solo influenciou de forma positiva no desempenho agronômico da alface, mostrando-se promissora na utilização como adubo verde. A maior produtividade da alface foi obtida com a incorporação de 6,11 t ha-1 de jitirana verde ao solo no tempo de 20 dias antes do transplantio da alface. A produtividade da alface lisa adubada com esterco bovino ou esterco bovino mais adubação mineral foi respectivamente 32,08 % e 28,81 % superior à produtividade da alface adubada com 6,11 t ha-1 de jitirana verde no tempo de 20 dias antes do seu transplantio. A produtividade da alface adubada com jitirana verde na quantidade de 6,11 t ha-1 no tempo de 20 dias antes do seu transplantio foi superior em 3,08 % à produtividade da alface com adubo mineral.


Palavras-chave


Adubação verde; Lactuca sativa; Merremia aegyptia; nutrientes

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Francisco Bezerra Neto, Silvia Bezerra Góes, José Roberto Sá, Paulo César Ferreira Linhares, Glêidson Bezerra Góes, Joserlan Nonato Moreira

SCImago Journal & Country Rank

Google Scholar

2020

h5 index: 11

h5 median: 12

Mais detalhes

“Este periódico é filiado à

Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária)

ISSN (ON LINE) 1981-0997

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos Recife-Pernambuco-Brasil 52171-900

agrarias.prppg@ufrpe.br

secretaria@agraria.pro.br

 Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da Agrária, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons.