Produtividade do milho em resposta à inoculação com <i>Herbaspirillum seropedicae</i> sob diferentes níveis de nitrogênio

Autores

  • Adriano P. Dotto Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Maria do C. Lana Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Fábio Steiner Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”
  • Jucenei F. Frandoloso Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v5i3a898

Palavras-chave:

Adubação nitrogenada, bactérias diazotróficas, fixação biológica de nitrogênio, promoção de crescimento, Zea mays

Resumo

A pesquisa sobre bactérias diazotróficas na cultura do milho tem demonstrado a necessidade de associar bactérias eficientes a genótipos promissores, os quais se beneficiariam dessa associação. Assim, conduziu-se um experimento em condições de campo, no município de Marechal Cândido Rondon (PR), com o objetivo de avaliar o comportamento de dois híbridos de milho à inoculação de Herbaspirillum seropedicae, sob diferentes níveis de nitrogênio. Utilizou-se o delineamento experimental de blocos ao acaso em esquema fatorial 2 x 2 x 3, com cinco repetições. Os tratamentos foram constituídos por dois híbridos (AS 1540 e AS 1560); ausência ou presença de inoculação com H. seropedicae, e três níveis de N em cobertura (0, 40 e 80 kg ha-1). Os dados
obtidos evidenciaram que a inoculação de H. seropedicae não influenciou significativamente a produtividade dos dois híbridos de milho testados; contudo, verifica-se que o híbrido AS 1570 respondeu positivamente à inoculação com aumento de 8,6% na produção de grãos, e o híbrido AS 1540 foi afetado  negativamente com uma redução na produtividade de 5,1%, evidenciando que os híbridos de milho testados apresentam resposta diferenciada à inoculação de H. seropedicae. As doses de N aplicadas em cobertura influenciaram significativamente a maioria das variáveis analisadas.

Downloads

Publicado

2022-03-16

Edição

Seção

Agronomia