Potencial energético da madeira de clones de <i>Eucalyptus</i> e <i>Corymbia</i> em diferentes espaçamentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v17i3a1278

Palavras-chave:

bioenergia, biomassa, florestas energéticas

Resumo

Este estudo teve como objetivo determinar a influência do espaçamento e de diferentes materiais genéticos de Eucalyptus e Corymbia na produção de madeira para fins energéticos. Foram avaliados, aos 24 meses, dois clones Eucalyptus (C1 e C2) e dois clones de Corymbia (C3 e C4) implantados em três diferentes espaçamentos (3,0 × 3,0, 3,0 × 1,5 e 3,0 × 1,0 m), totalizando 12 tratamentos. Em cada tratamento foram selecionadas 4 árvores, e de cada árvore foram retirados 5 discos que foram utilizados para a determinação da densidade básica, do poder calorífico superior e para a quantificação do carbono elementar da madeira. Com base nessas características foi possível estimar a massa seca, a massa de carbono e a quantidade de energia por hectare. Observou-se que houve efeito do espaçamento, de clone e da interação para a densidade básica da madeira, sendo observado no clone C3 (C. citriodora × C. torelliana) os maiores valores dessa propriedade. Já para o poder calorífico superior e para o teor de carbono não foi constatado nenhum efeito significativo. Verificou-se ainda que a produção de massa seca, massa de carbono e a quantidade de energia disponível por hectare aumentou com o adensamento dos espaçamentos para todos os clones estudados. Os maiores valores da quantidade de energia por hectare, nos diferentes espaçamentos, foram atribuídos aos clones C2 e C3 (3,0 × 3,0 m), clone C3 (3,0 × 1,5 m) e clones C1 e C3 (3,0 × 1,0 m). O clone C3 (híbrido de Corymbia), pode ser uma boa alternativa para o uso energético, em razão da sua qualidade da madeira e produtividade semelhante, ou até mesmo superior, aos clones de Eucalyptus já utilizados para essa finalidade.

Downloads

Publicado

2022-09-26

Edição

Seção

Ciências Florestais