Hidrogel no estabelecimento de mudas de <i>Eremanthus erythropappus</i> sob diferentes manejos hídricos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v17i2a8656

Palavras-chave:

Candeia, gel hidrorretentor, condicionadores do solo

Resumo

A eficiência do uso da água é um dos fatores limitantes na produção florestal, uma vez que influencia os processos fisiológicos determinantes ao crescimento e desenvolvimento das plantas. Como forma de promover umidade ao solo, os polímeros hidrorretentores vêm sendo utilizados na produção de mudas de espécies florestais. O objetivo do presente estudo foi avaliar o manejo hídrico e o uso de hidrogéis no crescimento inicial de mudas de Eremanthus erythropappus (DC.) MacLeish em vasos. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado em arranjo fatorial 4 × 3, sendo testados quatro níveis do fator hidrogel (sem hidrogel (SG) e três produtos: G1, G2 e G3) e três níveis do fator irrigação (sem irrigação, irrigação com água pura e irrigação com solução de gel) em cinco repetições, contendo uma planta por parcela. Foram realizadas avaliações aos 15, 25, 40 e 55 dias, da altura e diâmetro das mudas, além de calculada a evapotranspiração diária e a determinação, ao fim do experimento, do ponto de murcha permanente (PMP), da matéria seca da parte aérea e da raiz. As mudas sob utilização dos géis G3 e G1 apresentaram maior média de altura, já as mudas irrigadas com solução aquosa apresentaram resultados inferiores em altura e diâmetro, não sendo recomendado seu uso com hidrogel de plantio. O G1 apresentou resultados satisfatórios, e com o G3 as mudas suportaram um maior período em estresse hídrico, atingindo o PMP quatro dias após as mudas com o G2 ou sem o produto, podendo servir como um diferencial no campo.

Downloads

Publicado

2022-04-04

Edição

Seção

Ciências Florestais