Adubação fosfatada na implantação de sabiá (<i>Mimosa caesalpiniifolia</i> Benth.) em sistema lavoura-floresta em região semiárida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v17i2a135

Palavras-chave:

ILPF, Caatinga, nutrição fosfatada

Resumo

O uso de fertilizantes pode incrementar a produção de espécies florestais, as quais podem ser usadas para extração de madeira em monocultivos ou em sistemas agroflorestais. Assim, objetivou-se avaliar o desenvolvimento e acúmulo de nutrientes em plantas de sabiá e a fertilidade do solo em função da aplicação de doses de fósforo em sistema lavoura-floresta, anteriormente ocupada por pastagem degradada. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com quatro repetições, cujos tratamentos foram às seguintes doses: 0, 12,5; 25; 50 e 100 g de pentóxido de difósforo (P2O5) - fósforo por cova (fonte: superfosfato triplo), cujas quantidades empregadas foram reaplicadas no ano seguinte na projeção da copa (com os quantitativos dobrados). As variáveis mensuradas foram atributos biométricos (altura, diâmetro do caule ou coleto e na altura do peito), biomassa, acúmulo de nutrientes (planta inteira) e fertilidade do solo. Houve incremento em altura e diâmetros da planta, biomassa, acúmulo de fósforo na planta e aumento dos teores de fósforo no solo. Para a implantação de mudas de sabiá em solos com baixos teores de fósforo recomenda-se a aplicação de 29 g de P2O5 na cova e a aplicação de 47 g de P2O5 por planta na projeção da copa, após o primeiro ano.

Downloads

Publicado

2022-05-17

Edição

Seção

Ciências Florestais