Fauna epígea em sistemas de plantio direto, pastagem, eucalipto e cerrado nativo em Uruçuí, Piauí, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v16i3a8782

Palavras-chave:

rotação de cultura, diversidade, armadilhas pitfall, invertebrados do solo

Resumo

A fauna do solo é um dos bioindicadores da qualidade do solo que possui maior sensibilidade, sendo facilmente alterada por mudanças que ocorrem nos ecossistemas naturais e agrícolas. O trabalho teve como objetivo avaliar a densidade e diversidade da macrofauna do solo e os grupos funcionais da macrofauna epígea mais representativos em sistemas de plantio direto, pastagem, cultivo de eucalipto e Cerrado nativo em Uruçuí, Piauí, Brasil. Foram utilizados cinco sistemas de manejo do solo: (i) pastagem (PAS); (ii) plantio direto de soja sob palhada de milho (SPD1); (iii) plantio direto de milho sob palhada de capim mombaça (SPD2); (iv) eucalipto (EUC), além de (v) uma área de Cerrado usada como referência (MN). Foi realizada coleta da fauna, por meio de armadilhas do tipo pitfall contendo 4% de formol. A fauna foi avaliada pelo número de indivíduos por armadilha dia, riqueza, riqueza média, índice de diversidade de Shannon e índice de uniformidade de Pielou. Os dados foram submetidos à análise de variância, e quando significativo, foram submetidos ao teste de Friedman. Os grupos aranae, blattodea, scorpionidae e thisanura foram drasticamente afetados pelos sistemas de manejo utilizados em relação à condição natural. O sistema de pastagem foi o que apresentou menor impacto sobre a fauna edáfica quando comparado a mata nativa de cerrado.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Edição

Seção

Agronomia