Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de Pterogyne nitens Tull. - DOI:10.5039/agraria.v7i4a1688

Glauciana da Mata Ataide, Andressa Vasconcelos Flores, Eduardo Euclydes de Lima Borges, Rafael Tassinari Resende

Resumo


O amendoim do campo (Pterogyne nitens Tull.) é uma espécie florestal pertencente à família Leguminosae Caesalpinoidea, recomendada para reposição de áreas degradadas e arborização de vias urbanas e rodovias. O teste de condutividade elétrica é um teste de vigor de sementes, cuja medição dos exsudatos liberados durante sua condução reflete a integridade do sistema de membranas. O objetivo deste trabalho foi adequar a metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de P. nitens. As sementes tiveram a dormência superada com ácido sulfúrico concentrado e, em seguida, foram submetidas ao teste de envelhecimento acelerado a 40 °C, por períodos de 0 (testemunha), 24, 48 e 72 horas, determinando-se a porcentagem e a velocidade de germinação; em seguida realizou-se o teste de condutividade elétrica em sementes envelhecidas por 48 horas e testemunha, avaliando-se três quantidades de sementes (25, 50 e 75), três volumes de água destilada (25, 50 e 75 mL) e três tempos de embebição (24, 48 e 72 horas) na comparação do vigor das sementes pelo teste de condutividade elétrica. O delineamento empregado foi o inteiramente casualizado com cinco repetições, sendo as médias das sementes envelhecidas comparadas à testemunha pelo teste de Tukey a 5% e os valores de condutividade elétrica correlacionados aos resultados do teste de germinação. O teste de condutividade elétrica correlacionou-se com o vigor das sementes submetidas ao envelhecimento artificial. Desta forma, a utilização de 50 sementes embebidas em 50 mL de água destilada durante 24 horas é recomendada para a condução do teste de condutividade elétrica em sementes de P. nitens.


Palavras-chave


deterioração; qualidade fisiológica de sementes; sementes florestais; vigor

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Glauciana da Mata Ataide, Andressa Vasconcelos Flores, Eduardo Euclydes de Lima Borges, Rafael Tassinari Resende

SCImago Journal & Country Rank

Google Scholar

2018

h5 index: 12

h5 median: 14

Mais detalhes

Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária)

ISSN (ON LINE) 1981-0997

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos Recife-Pernambuco-Brasil 52171-900

agrarias.prppg@ufrpe.br

secretaria@agraria.pro.br

 Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da Agrária, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons.