Monitoramento da estrutura e caracterização ecológica em floresta tropical manejada na Amazônia Brasileira - DOI:10.5039/agraria.v14i4a6867

Erica Karolina Barros de Oliveira, Alba Valéria Rezende, Lucas José Mazzei de Freitas, Leonidas Soares Murta Júnior, Quétila Souza Barros, Lidiomar Soares da Costa

Resumo


Neste estudo foram discutidos aspectos da composição florística, diversidade de espécies e estrutura diamétrica de uma floresta manejada, no município de Paragominas, Pará. Os dados foram obtidos em dois transectos de 100 x 900 m equivalendo a uma área amostral de 18 ha, mensurados em sete ocasiões anuais. Os indivíduos arbóreos foram classificados em dois níveis de inclusão, Nível 1: DAP ≥ 20 cm em parcelas de 100 x 100 m e Nível 2: 10 cm < DAP ≤ 20 cm em subparcelas de 25 x 50 m. O índice de Shannon-Weaver variou entre 3,97 e 4,03 nats ind-1 para o Nível 1 e 3,80 e 4,03 nats ind-1 para o Nível 2. Os grupos ecológicos compostos por espécies não pioneiras dominaram a floresta, tanto em termos de riqueza quanto de densidade de árvores. Os resultados obtidos indicaram que 10 anos após a exploração, não foram constatadas mudanças expressivas na riqueza, diversidade e estrutura diamétrica da vegetação, indicando possivelmente, que a floresta quando submetida ao manejo florestal sustentável pode manter suas características próximas à floresta não perturbada pela exploração madeireira.

Palavras-chave


Floresta Amazônica; manejo florestal; sucessão ecológica

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, L. S.; Gama, J. R. V.; Oliveira, F. A.; Carvalho, J. O. P.; Gonçalves, D. C. M.; Araújo, G. C. Fitossociologia e uso múltiplo de espécies arbóreas em floresta manejada, Comunidade Santo Antônio, Município de Santarém, Estado do Pará. Acta Amazônica, v.42, n.2, p.185- 194, 2012. https://doi.org/10.1590/S0044-59672012000200002.

Alvares, C. A.; Stape, J. L.; Sentelhas, P. C.; Gonçalves, J. L. M.; Sparovek, G. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n.6, p.711-728, 2013. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507.

Alves Junior, F. T.; Ferreira, R. L. C.; Silva, J. A. A. da; Marangon, L. C.; Costa Junior, R. F.; Silva, S. de. O. Utilização do Quociente de de Liocourt na avaliação da distribuição diamétrica em fragmentos de Floresta Ombrófila Aberta em Pernambuco. Ciência Florestal, v. 20, n.2, p. 307-319, 2010. https://doi.org/10.5902/198050981854.

Bennett, L. Deforestation and Climate Change. Washington: Climate Institute, 2017, 16p. http://climate.org/wpcontent/uploads/2017/04/deforestation-final_r1.pdf. 13 Mai. 2019.

Braz E. M.; Schneider, P.R.; Mattos, P.P.; Thaines, F.; Selle, G.L.; Oliveira, M.F.; Oliveira, T.C. Manejo da estrutura diamétrica remanescente de florestas tropicais. Ciência Florestal, v.22, n.4, p.787-794, 2012. https://doi.org/10.5902/198050987559.

Budowski, G. The distinction between old secondary and climax species in tropical Central American Lowland Forests. Tropical Ecology v. 11, n. 1, p. 44- 48, 1970.

Buongiorno, J.; Gilless, J.K. Forest management and economics. A primer in quantitative methods. New York; London: Macmillan Publishing Company; Collier Macmillan Publishers, 1987. 285p. https://doi.org/10.1002/bimj.4710310712.

Campos, J. C. C.; Ribeiro, J. C.; Couto, L. Emprego da distribuição diamétrica na determinação da intensidade de corte em matas naturais submetidas ao sistema de seleção. Revista Árvore, v. 7, n.2, p. 110-122, 1983.

D’Oliveira, M. V. N.; Oliveira, L. C.; Acuña, M. H. A.; Braz, E. M. Twenty years monitoring growth dynamics of a logged tropical forest in Western Amazon. Pesquisa Florestal Brasileira, v.37, n. 92, p. 493-502, 2017. https://doi.org/10.4336/2017.pfb.37.92.1398.

De Liocourt, F. De l’amenagement des sapinières. Bulletin trimestriel - Société Forestière de Franche-Comté & Belfort, v.4, n.6, p.396-409, 1898. https://infodoc.agroparistech.fr/index.php?lvl=notice_display&id=181924. 29 Mar. 2019.

Dionísio, L. F. S.; Schwartz, G.; Lopes, J. do C.; Oliveira, F. de A. Growth, mortality, and recruitment of tree species in an Amazonian rainforest over 13 years of reduced impact logging. Forest Ecology and Management, v. 430, p. 150-156, 2018. https://doi.org/10.1016/j.foreco.2018.08.024.

Elias, F.; Marimon, B. S.; Gomes, L.; Forsthofer, M.; Abreu, M. F.; Reis, S. A.; Lenza, E.; Franczak, D.D.; Marimon Junior, B. H. Resiliência de um cerradão submetido a perturbações intermediárias na transição Cerrado-Amazônia. Biotemas, v.26, n.3, p.49-62, 2013. https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n3p49.

Felfili, J.M. Diameter and height distributions in a gallery forest community and some of its main species in central Brazil over a six-year period (1985-1991). Revista Brasileira de Botânica, v. 20, n.2, p.155-162, 1997. https://doi.org/10.1590/S0100-840419970002.

Felfili, J.M.; Silva Júnior, M.C. Distribuição dos diâmetros numa faixa de cerrado na Fazenda Água Limpa (FAL) em Brasília, DF. Acta Botanica Brasilica, v.2, n.1-2, p.85-104, 1988. https://doi.org/10.1590/S0102-33061988000100005.

Gandolfi, S.; Leitão Filho, H. F.; Bezerra, C.L.E. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no Município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, v.55, n. 4, p. 753-767, 1995. http://www.lcb.esalq.usp.br/publications/articles/1995/1995rbbv55n4p753-767.pdf. 03 Mar. 2019.

Guimarães, J. R. da S. G.; Carim, M. de J. V.; Neto, S. V. da C.; Tostes, L. de C. L. Floristic diversity of secondary forest in the eastern Amazon, State of Amapá, Floresta, v. 46, n. 3, p. 343 - 351, 2016. https://doi.org/10.5380/rf.v46i3.40161.

Hammer, Ø.; Harper, D.A.T.; Ryan, P.D. PAST: Paleontological statistical software package for education and data analysis. Palaentologia Electronica, v. 4, n.1, p.1-9, 2001. https://palaeo-electronica.org/2001_1/past/past.pdf. 13 Mai. 2019.

Hirai, E.H.; Carvalho, C.J.R.; Silva, J.N.M.; Carvalho, J.O.P.; Queiroz, W.T. Efeito da exploração florestal de impacto reduzido sobre a regeneração natural em uma floresta densa de terra firme no município de Paragominas na Amazônia brasileira. Scientia Forestalis, v. 40, n. 95, p. 306-315, 2012. https://doi.org/10.18671/scifor.v44n109.25.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 275p. (IBGE. Manuais Técnicos em Geociências, 1). https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv63011.pdf. 19 Ago. 2019.

Jardim, F.C.S.; Quadros, L.C.L. Estrutura de uma floresta tropical dez anos após exploração de madeira em Moju, Pará. Revista Ceres, v.63, n.4, p.427-435, 2016. https://doi.org/10.1590/0034-737X201663040001.

Knight, D.H. A phytosociological analysis of species-rich tropical forest on Barro Colorado Island, Panama. Ecological Monographs, v. 45, n. 3, p. 259-28, 1975. https://doi.org/10.2307/1942424.

Leitão, R. P.; Zuanon, J.; Mouillot, D.; Leal, C.G.; Hughes, R. M.; Kaufmann, P. R.; Villéger, S.; Pompeu, P. S.; Kasper, D.; De Paula, F. R.; Ferraz, F. B.; Gardner, T. A. Disentangling the pathways of land use impacts on the functional structure of fish assemblages in Amazon streams. Ecography, v.41, n.1, p. 219-232, 2018. https://doi.org/10.1111/ecog.02845.

Lima, R. B. D. A.; Silva, J. A. A. da; Marangon, L. C.; Ferreira, R. L. C.; Silva, R. K. S. da. Sucessão ecológica de um trecho de floresta ombrófila densa de terras baixas, Carauari, Amazonas. Pesquisa Florestal Brasileira, v.31, n.67, 161-172, 2011. https://doi.org/10.4336/2011.pfb.31.67.161.

Lima, B. de A.; Almeida, B. R. S. de.; Sousa, E. A. B. de.; Cruz, G. da S.; Melo Marcelle, B.; Melo, L. de O.; Melo, D. L. da C.; Santos, M. F. dos. Estrutura e dinâmica florestal sob efeito do manejo madeireiro na FLONA Tapajós. Advances in Forestry Science, v. 5, n.4, p.437-443, 2018. http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/afor/article/view/5984/pdf. 09 Abr. 2019.

Melo, A.S. O que ganhamos ‘confundindo’ riqueza de espécies e equabilidade num índice de diversidade? Biota Neotropica, v. 8, n. 3, p. 21-27, 2008. https://doi.org/10.1590/S1676-06032008000300001.

Moutinho, V. H. P.; Couto, A. M.; Lima, J. T.; Aguiar, O. J. R.; Nogueira, M. O. G. Energetic characterization of Matá-Matá wood from the brazilian rainforest (Eschweilera Mart Ex Dc). Scientia Forestalis, v. 39, n. 92, p. 457-461, 2011. https://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr92/cap08.pdf. 09 Abr. 2019.

Nascimento, R. G. M.; Machado, A.S.; Figueiredo Filho, A.; Higuchi, N. Modelagem da sobrevivência, mortalidade e recrutamento de uma floresta na Amazônia Central. Scientia Forestalis, v. 41, n. 99, p. 319-330, 2013. https://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr99/cap03.pdf. 09 Abr. 2019.

Odum, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. 434 p.

Pinheiro, K. A. O.; Carvalho, J. O. P. de.; Quanz, B.; Francez, L. M. de B.; Schwartz, G. Fitossociologia de uma área de preservação permanente no leste na Amazônia: indicação de espécies para recuperação de áreas alteradas. Floresta, v.37, n.2, p.175-187, 2007. https://doi.org/10.5380/rf.v37i2.8648.

Rees, M.; Condit, R.; Crawley, M.; Pacala, S.; Tilman, D. Long-term studies of vegetation dynamics. Science, v. 293, n. 5530, p. 650-655, 2001. https://doi.org/10.1126/science.1062586.

Reis, L. P.; Souza, A. L.; Mazzei, L.; Reis, P. C. M.; Leite, H. G.; Soares, C. P. B.; Torres, C. M. M. E.; Silva, L. F.; Ruschel, A. R. Prognosis on the diameter of individual trees on the eastern region of the amazon using artificial neural networks. Forest Ecology and Management, v. 382, p.161-167, 2016. https://doi.org/10.1016/j.foreco.2016.10.022.

Reis, L. P.; Ruschel, A. R.; Silva, J. N. M.; Reis, P. C. M. dos; Carvalho, J. O. P. de; Soares, M. H. M. Dinâmica da distribuição diamétrica de algumas espécies de Sapotaceae após exploração florestal na Amazônia Oriental. Revista de Ciências Agrárias, v.57, n.3, p. 234-243, 2014. https://doi.org//10.4322/rca.ao1401.

Ribeiro, R. B. da S.; Gama, J. R. V.; Martins, S. V.; Moraes, A.; Santos, C. A. A. dos; Carvalho. A. N. de. Estrutura florestal em projeto de assentamento, comunidade São Mateus, Município de Placas, Pará, Brasil. Revista Ceres, v. 60, n.5, p. 610-620, 2013. https://doi.org/10.1590/S0034-737X2013000500003.

Richardson, V. A.; Peres, C. A. Temporal Decay in Timber Species Composition and Value in Amazonian Logging Concessions. PLOS ONE, v. 11, n. 7, p. 1-22, 2016. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0159035.

Rodrigues, R.; Gandolfi, S.; Dias, L.; Mello, J. Restauração de florestas tropicais: subsídios para uma definição metodológica e indicadores de avaliação e monitoramento. In: Dias, L. E.; Mello. J. W. (Eds.). Recuperação de áreas degradadas. Viçosa: UFV; Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas, 1998. p.203-215.

Salles, J. C.; Schiavini, I. Estrutura e composição do estrato de regeneração em um fragmento florestal urbano: implicações para a dinâmica e a conservação da comunidade arbórea. Acta Botânica Brasílica, v.21, n.1, p.223-233, 2007. https://doi.org/10.1590/S0102-33062007000100021.

Sist, P.; Ferreira, F. N. Sustainability of reduced-impact logging in the Easter Amazon. Forest Ecology and Management, v. 243, n.2-3, p. 199-209, 2007. https://doi.org/10.1016/j.foreco.2007.02.014.

Souza, D. R.; Souza, A. L.; Leite, H. G.; Yared, J. A. G. Análise estrutural em floresta ombrófila densa de terra firme não explorada, Amazônia oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 1, p. 75-87, 2006. https://doi.org/10.1590/S0100-67622006000100010.

Souza, D. V.; Carvalho, J. O. P.; Mendes, F. S.; Melo, L. O.; Silva, J. N. M., Jardim, F. C. S. Crescimento de espécies arbóreas em uma floresta natural de terra firme após a colheita de madeira e tratamentos silviculturais, no município de Paragominas, Pará, Brasil. Ciência Florestal, v. 25, n. 4, p. 873-883, 2015. https://doi.org/10.5902/1980509820585.

Souza, M.A.S.; Azevedo, C.P.; Souza, C.R., França, M.; Neto, M. Dinâmica e produção de uma floresta sob regime de manejo sustentável na Amazônia Central. Floresta, v.47, p.55-63, 2017. https://doi.org/10.5380/rf.v47i1.43312.

Spiegel, M. R. Estatística. São Paulo: Makron Books, 1993. 643p.

Swaine, M.D.; Whitmore, T.C. On the definition of ecological species groups in tropical rain forests. Vegetatio, v.75, n. 1-2, p. 81-86, 1988. https://doi.org/10.1007/BF00044629.

Toniato, M.T.Z.; Oliveira Filho, A.T. Variations in tree community composition and structure in a fragment of tropical semideciduous forest in southeastern Brazil related to different human disturbance histories. Forest Ecology and Management, v. 198, n.1-3, p. 319-339, 2004. https://doi.org/10.1016/j.foreco.2004.05.029.

Tonini, H.; Morales, M. M.; Silva, V. P. da.; Lulu, J. F. N.; Austeclinio, L. de. Efeito do sistema de plantio e da exposição solar sobre a alocação da biomassa no desenvolvimento inicial do eucalipto. Ciência Florestal, v. 29, n.1, p. 86-95, 2019. http://doi.org/10.5902/1980509817808.

Vieira, D.S.; Gama, J.R.V.; Ribeiro, R.B.S.; Ximenes, L.C.; Corrêa, V.V.; Alves, A.F. Comparação estrutural entre floresta manejada e não manejada na Comunidade Santo Antônio, Estado do Pará. Ciência Florestal, v. 24, n.4, p. 1067-1074, 2014. https://doi.org/10.5902/1980509816619.

Von Ende, C.N. Repetead-measures analysis: growth and other time-dependent measures. In: Scheiner, S. M.; Vincent, J. F. (Eds.). Design and analysis of ecological experiments. 2.ed. New York: Oxford University Press, 2001. 415p.

Zar, J. H. Biostatistical analysis. 4.ed. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1999. 663p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Erica Karolina Barros de Oliveira, Alba Valéria Rezende, Lucas José Mazzei de Freitas, Leonidas Soares Musta Júnior, Quétila Souza Barros, Lidiomar Soares da Costa

SCImago Journal & Country Rank

Google Scholar

2019

h5 index: 10

h5 median: 14

Mais detalhes

Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária)

ISSN (ON LINE) 1981-0997

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos Recife-Pernambuco-Brasil 52171-900

agrarias.prppg@ufrpe.br

secretaria@agraria.pro.br

 Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da Agrária, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons.