Desenvolvimento inicial e fenologia em núcleos de restauração no bioma Mata Atlântica, Sul do Brasil - DOI:10.5039/agraria.v14i1a5612

Marcela Peuckert Kamphorst Leal da Silva, Ana Paula Moreira Rovedder, Rafaela Badinelli Hummel, Bruna Balestrin Piaia, Lucas Donato Toso, Roselene Marostega Felker, Aline Peccatti, Jhonitan Matiello

Resumo


A presente pesquisa analisou o desenvolvimento inicial e a fenologia reprodutiva de mudas de espécies nativas, plantadas em núcleos de diversidade, para restauração de mata ciliar no munícipio de Itaara-RS, Brasil. Foram plantadas 300 mudas de dez espécies, dispostas em 60 núcleos. Avaliaram-se a sobrevivência, altura total (H), diâmetro à altura do solo (DAS) e fenologia reprodutiva. As taxas de sobrevivência e crescimento em H e DAS apresentaram diferenças significativas entre as espécies. As espécies pioneiras apresentaram maior sobrevivência e crescimento quando comparadas com aquelas de estágio sucessional mais avançado. Quanto à fenologia se destacam Schinus terebinthifolius e Psidium cattleianum, que apresentaram floração e frutificação padronizadas, cerca de 12 meses após o plantio. S. terebinthifolius foi a espécie que apresentou melhor desempenho quanto ao crescimento, desenvolvimento incial e padrões fenológicos, podendo ser recomendada para ações de restauração.

Palavras-chave


crescimento; nucleação; padrões fenológicos; sobrevivência

Texto completo:

PDF

Referências


Alvares, C.A.; Stape, J.L.; Sentelhas, P.C.; Gonçalves, J.L.M.; Sparovek, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v.22, n.6, p.711-728, 2013. https://doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507.

Bauer D.; Müller A.; Goetz M.N.B.; Schmitt, J. L. Fenologia de Ocotea pulchella, Myrcia brasiliensis e Psidium cattleyanum, em floresta semidecídua do sul do Brasil. Floresta, v.44, n.4, p.657-668, 2014. https://doi.org/10.5380/rf.v44i4.31410.

Brancalion P.H.S.; Gandolfi S.; Rodrigues R.R. Restauração florestal. São Paulo: Oficina de Textos, 2015. 431p.

Callegaro R.M.; Andrzejewski C.; Longhi S.J.; Araujo M.M.; Serra G.C. Potencial de três plantações florestais homogêneas como facilitadoras da regeneração natural de espécies arbutivo-arbóreas. Scientia Forestalis, v. 41, n. 99, p.331-341, 2013. http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr99/cap04.pdf. 29 Mar. 2018.

Capellesso E.S.; Santolin S.F.; Zanin E.M. Banco e chuva de sementes em área de transição florestal no Sul do Brasil. Revista Árvore, v. 39, n. 5, p. 821-829, 2015. https://doi.org/10.1590/0100-67622015000500005.

Cunha A.A.; Guedes F.B. Mapeamentos para a conservação e recuperação da biodiversidade na Mata Atlântica: em busca de uma estratégia espacial integradora para orientar ações aplicadas. Brasília: MMA, 2013. 216p. (Série Biodiversidade, 49). http://www.mma.gov.br/publicacoes/biodiversidade/category/142-serie-biodiversidade.html?download=1019:serie-biodiversidade-biodiversidade-49. 03 Mar. 2018.

Davide A.C.; Melo L.A. de.; Teixeira L.A.F.; Prado N. J. S.; Fiorini R. A.; Carvalho R. P. Fatores que afetam a qualidade de mudas destinadas aos projetos de restauração de ecossistemas florestais. In: Davide, A. C.; Botelho, S. A. (Orgs.). Fundamentos e métodos de restauração de ecossistemas florestais: 25 anos de experiência em matas ciliares. 1ed. Lavras: Editora UFLA, 2015. Cap. 5, p. 181-274.

Fontana C; Bündchen M. Restauração de mata ciliar em pequena propriedade rural. Ambiência, v.11, n.1, p.149–162, 2015. https://doi.org/10.5935/ambiencia.2015.01.09.

Fournier L.A. Un método cuantitativo para la medición de características fenológicas em árboles. Turrialba, v. 24, n.4, p. 422-423, 1974.

Fundaçâo SOS Mata Atlântica: A Nossa Causa. 2014. http://www.sosma.org.br/nossa-causa/a-mata-atlantica. 12 Abr. 2018.

Holanda F.S.R.; Gomes L.G.N.; Rocha I.P.D.; Santos T.T.; De Araújo Filho R. N.; Vieira T.R.S.; Mesquita J.B. Crescimento inicial de espécies florestais na recomposição da mata ciliar em taludes submetidos à técnica da bioengenharia de solos. Ciência Florestal, v.20, n.1, 157-166, 2010. https://doi.org/10.5902/198050981770.

Homen M.N.G. Padrões fenológicos em ecossistemas em processo de restauração e em fragmento florestal vizinho. Botucatu: Universidade Estadual Paulista; Faculdade de Ciências Agronômicas, 2011. 127p. Dissertação Mestrado. http://hdl.handle.net/11449/99757. 09 Abr. 2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 274p. (Manuais técnicos em Geociências, 1). https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv63011.pdf. 10 Abr. 2018.

Instituto Nacional de Meteorologia - INMET. BDMEP - Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa, 2017. http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep. 12 Mar. 2018.

Leles P.S.D.S.; Abaurre G.W.; Alonso J.M.; Nascimento D.F.D.; Lisboa, A. C. Crescimento de espécies arbóreas sob diferentes espaçamentos em plantio de recomposição florestal. Scientia Forestalis, v.39, n 90, p.231-239, 2011. http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr90/cap11.pdf. 23 Abr. 2017.

Martins S.V.; Miranda Neto A.; Ribeiro T.M. Uma abordagem sobre a diversidade e técnicas de restauração ecológica. In: Martins S.V. (Ed.). Restauração ecológica de ecossistemas degradados. 2.ed. Viçosa, MG: UFV, 2015. p. 19-41.

Milani J. E. DE F.; Roderjan C.V.; Kersten R. De A.; Galvão F. Fenologia vegetativa e reprodutiva de Schinus terebinthifolius Raddi (Anacardiaceae) em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Aluvial – Araucária (PR). Estudos de Biologia, v. 35, n.85, p. 135-142, 2013. https://doi.org/10.7213/estud.biol.35.085.AO04.

Piaia B.B.; Rovedder A.P.M.; Giacomini I.F.; Stefanello M.D.M. Florística de áreas de preservação permanente em nascentes com diferentes níveis de conservação na sub-bacia do arroio Manoel Alves, em Itaara, RS. Enciclopédia Biosfera, v.11 n.22, p.1306-1320, 2015. https://doi.org/10.18677/Enciclopedia_Biosfera_2015_161.

Pinto L.V.A.; Botelho S.A.; Davide A.C.; Ferreira E. Estudo das nascentes da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG. Scientia Forestalis, n.65, p. 197-206, 2004. http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr65/cap19.pdf. 11 Abr. 2018.

Rodrigues R.R.; Brancalion P.H.; Iserhagen I. Pacto pela restauração da mata atlântica: referencial dos conceitos e ações de restauração florestal. São Paulo: LERF/ESALQ; Instituto BioAtlântica, 2009. 256p. http://www.lerf.esalq.usp.br/divulgacao/produzidos/livros/pacto2009.pdf. 09 Abr. 2018.

Santos J.F.; Agostini K.; Ferreira Nocelli R.C. Fenologia da floração de espécies lenhosas em área em processo de restauração em Araras, São Paulo. Bioikos. v. 27, n. 1, p. 3-12, 2013. https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/bioikos/article/view/2168. 22 Abr. 2018.

Streck E.V.; Kampf N.; Dalmolin R.S.D.; Klamt E.; Nascimento P.C.; Schneider P.; Giasson E.; Pinto L.F.S. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre: EMATER/RS; UFRGS, 2008. 222p.

Viani R.A.G.; Rodrigues R.R. Sobrevivência em viveiro de mudas de espécies nativas retiradas da regeneração natural de remanescente florestal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.42, n.8, p.1067-1075, 2007. https://doi.org/10.1590/S0100-204X2007000800002. 12 Jan. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Marcela Peuckert Kamphorst Leal da Silva, Ana Paula Moreira Rovedder, Rafaela Badinelli Hummel Badinelli Hummel, Bruna Balestrin Piaia, Lucas Donato Toso, Roselene Marostega Felker, Aline Peccatti, Jhonitan Matiello

SCImago Journal & Country Rank

Google Scholar

2018

h5 index: 12

h5 median: 14

Mais detalhes

Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária)

ISSN (ON LINE) 1981-0997

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos Recife-Pernambuco-Brasil 52171-900

agrarias.prppg@ufrpe.br

secretaria@agraria.pro.br

 Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da Agrária, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons.