Fatores que afetam o forrageamento das abelhas em diferentes híbridos do milho - DOI:10.5039/agraria.v13i3a5551

Darclet Teresinha Malerbo-Souza, Thulio Gustavo da Silva, Milena Oliveira de Andrade, Lucas Rodrigues de Farias, Núbia Maria Guedes Medeiros

Resumo


As abelhas precisam de pólen para sua manutenção e desenvolvimento, e o milho (Zea mays L.) é uma das espécies que produzem grandes quantidades de pólen que são visitadas por diferentes espécies de abelhas. Este experimento foi conduzido em Ribeirão Preto, SP, em 2013, com o objetivo de avaliar os fatores que afetam o comportamento da forragem de abelhas em diferentes híbridos de milho. Para isso, o delineamento experimental foi blocos casualizados, com sete tratamentos e quatro repetições, em parcelas experimentais de 4,2 (6 linhas) x 6,0 m (25,2 m2 ), e espaçamento de 0,70 m, em dois plantios (janeiro e abril 2013). Os genótipos utilizados foram (1) milho convencional 2B587® (controle); (2) milho transgênico Powercore®; (3) YieldGard VT PRO®); (4) Viptera®; (5) Viptera 3®; (6) Herculex® e (7) Optimum Intrasect®. A frequência de visitação das abelhas para coleta de pólen foi obtida pela contagem nos primeiros cinco minutos de horário, das 7:00 às 11:00 horas, com três repetições (três dias diferentes), em cada híbrido, nos dois plantios. Avaliaram-se a proteína bruta e o peso do pólen dos pendões de diferentes híbridos de milho. Foi observada a prevalência de abelhas africanizadas Apis mellifera visitando os pendões do milho, preferencialmente, entre as 7:00 e as 9:00, exclusivamente para coleta de pólen. Os híbridos mais visitados pelas abelhas africanizadas foram os que apresentaram maior quantidade de pólen nas amostras coletadas.

Palavras-chave


abelhas africanizadas; comportamento forrageiro; Zea mays

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Babendreier, D.; Kalberer, N.; Romeis, J.; Fluri, P.; Bigler, F. Pollen consumption in honey bee larvae: a step forward in the risk assessment of transgenic plants. Apidologie, v. 35, n. 3, p. 293-300, 2004. https://doi.org/10.1051/apido:2004016.

Breyer, O. O pólen apícola. http://www.breyer.ind.br/apicultura/apicultura_polen.htm. 25 Nov. 2017.

Brodschneider, R.; Crailsheim, K. Nutrition and health in honey bees. Apidologie, v. 41, n. 3, p. 278-294, 2010.

https://doi.org/10.1051/apido/2010012.

Couto, R.H.N.; Couto, L.A. Apicultura: manejo e produtos. Jaboticabal: FUNEP, 2006. 191p.

Frias, B.E.D.; Barbosa, C.D.; Lourenço, A.P. Pollen nutrition in honey bees (Apis mellifera): impact on adult health. Apidologie, v. 47, n. 1, p. 15–25, 2016. https://doi.org/10.1007/s13592-015-0373-y

Goulson, D.; Nicholls, E.; Botías, C.; Rotheray, E.L. Bee declines driven by combined stress from parasites, pesticides and lack of flowers. Science, v. 347, n. 6229, 1255957, 2015. https://doi.org/10.1126/science.1255957.

Huang, Z.; Hanley, A.; Pett, W.; Langenberger, M.; Duan, J. Field and semifield evaluation of impacts of transgenic canola pollen on survival and development of worker bees. Journal Economy Entomology, v. 97, n. 5, p. 1517-1523, 2004. https://doi.org/10.1603/0022-0493-97.5.1517.

Malerbo-Souza, D.T. The corn pollen as a food source for honeybees. Acta Scientiarum.Agronomy, v. 33, n. 4, p. 701-704, 2011. https://doi.org/10.4025/actasciagron.v33i4.10533.

Malerbo-Souza, D.T.; Silva, F.A.S. Comportamento forrageiro da abelha africanizada Apis mellifera L. no decorrer do ano. Acta Scientiarum.Animal Science, v. 33, n. 2, p. 183-190, 2011. https://doi.org/10.4025/actascianimsci.v33i2.9252.

Malerbo-Souza, D.T.; Toledo, V.A.A.; Pinto, A.S. Ecologia da polinização. Piracicaba: CP2, 2008. 31p.

Marchini, L.C.; Reis, V.D.A.; Moreti, A.C.C.C. Composição físico-química de amostras de pólen coletado por abelhas africanizadas Apis mellifera (Hymenoptera: Apidae) em Piracicaba, estado de São Paulo. Ciência Rural, v. 36, n. 3, p. 949-953, 2006. https://doi.org/10.1590/S0103-84782006000300034.

Modro, A.F.H. Flora e caracterização poliníferas para abelhas Apis mellifera na região de Viçosa, MG. Viçosa: UFV, 2006. 98p. Dissertação Mestrado. http://locus.ufv.br/handle/123456789/4000. 05 Nov. 2017.

Pereira, F.M.; Freitas, B.M.; Vieira Neto, J.M.; Lopes, M.T.R.; Barbosa, A.L.; Camargo, R.C.R. Desenvolvimento de colônias de abelhas com diferentes alimentos proteicos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, n.1, p. 1-7, 2006. https://doi.org/10.1590/S0100-204X2006000100001.

Pierrot, L. M.; Schlindwein, C. Variation in daily flight activity and foraging patterns in colonies of uruçu – Melipona scutellaris Latreille (Apidae, Meliponini). Revista Brasileira de Zoologia, v. 20, n. 4, p. 565-571, 2003. https://doi.org/10.1590/S0101-81752003000400001.

Potts, S.G.; Imperatriz­Fonseca, V.; Ngo, H. T., Aizen, M. A.; Biesmeijer, J. C.; Breeze, T. D., Dicks, L. V., Garibaldi, L. A.; Hill, R.; Settele, J.; Vanbergen, A. J. Safeguarding pollinators and their values to human well-being. Nature, v. 540, p. 220-229, 2016. https://doi.org/10.1038/nature20588.

Ramirez-Romero, R.; Desneux, N.; Decourtye, A.; Chaffiol, A.; Pham-Delegue, M. Does Cry 1Ab protein affect learning performances of the honey bee Apis mellifera L. (Hymenoptera, Apidae)? Ecotoxology. Environment Safety, v. 70, n. 2, p. 327-333, 2008. https://doi.org/10.1016/j.ecoenv.2007.12.002.

Roulston, T.H.; Cane, J.H.; Buchmann, S.L. What governs protein content of pollen: pollinator preferences, pollen-pistil interactions, or phylogeny? Ecological Monographs, v.70, n. 4, p.617-627, 2000. https://doi.org/10.1890/0012-9615(2000)070[0617:WGPCOP]2.0.CO;2.

Sabugosa-Madeira, J. B.; Abreu, I., Ribeiro, H.; Cunha, M. Bt transgenic maize pollen and the silent poisoning of the hive. Journal of Apicultural Research, v. 46, n. 1, p. 57-58, 2007. https://doi.org/10.1080/00218839.2007.11101367.

Salman, A. K. D.; Ferreira, A. C. D.; Soares, J. P. G.; Souza, J. P. Metodologia para avaliação de ruminantes, Porto Velho, RO: Embrapa Rondônia, 2010. 21p. https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/884369/1/doc136alimentacaoderuminantes.pdf. 10 Nov. 2017.

Statistical Analysis System - SAS. System for microsoft windows. OnlineDoc® for Windows 9.3. Cary: Statistical Analysis System Institute, 2012.

Silveira-Neto, S.; Nakano, O.; Barbin, D.; Villa Nova, N.A. Manual de ecologia dos insetos. Piracicaba: Agronômica Ceres, 1976. 419p.

Vaudo, A.D.; Grozinger, T.J.; Patch, C.M.H.M. Bee nutrition and floral resource restoration. Current Opinion in Insect Science, v. 10, p. 133-141, 2015. https://doi.org/10.1016/j.cois.2015.05.008.

Wiese, H. Apicultura: novos tempos. 2.ed. Guaíba: Agrolivros, 2005. 378p.

Yi, H.Y.; Chowdhury, M.; Huang, Y.D.; Yu, X.G. Insect antimicrobial peptides and their applications. Applied Microbiology and Biotechnology, v. 98, n. 13, p. 5807-5822, 2014. https://doi.org/10.1007/s00253-014-5792-6.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Darclet Teresinha Malerbo-Souza, Thulio Gustavo da Silva, Milena Oliveira de Andrade, Lucas Rodrigues de Farias, Núbia Maria Guedes Medeiros

SCImago Journal & Country Rank

Google Scholar

2019

h5 index: 10

h5 median: 14

Mais detalhes

Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária)

ISSN (ON LINE) 1981-0997

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos Recife-Pernambuco-Brasil 52171-900

agrarias.prppg@ufrpe.br

secretaria@agraria.pro.br

 Licença Creative Commons
Todo o conteúdo da Agrária, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma licença Creative Commons.